Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

maschamba



Sábado, 21.05.11

Memória agridoce e recorrente quando oiço falar das eleições que se avizinham*

A zona para onde íamos era remota, mesmo naquele país quase inominado. No carro, Jim, o motorista a meu lado. Lá atrás as tendas (duas como manda o recato) e um tubo de rações militares graciosamente cedido pelo exército de um país que ali assegurava a “manutenção da paz”. Colado de fora do tubo um impresso, em inglês, com o conteúdo do mesmo. Leio em voz alta antecipando o repasto que nos iria agraciar a chegada. Poucos artigos familiares e muitas latas de nome exótico, que ambos desconhecíamos e sobre cujo sabor especulávamos. No meio de tanto exotismo e entre a familiaridade do café instantâneo, do leite em pó, das barras de cereais, das bolachas, chá e açúcar, destacava-se – M&Ms. Excuse me? M&Ms? Brilham-nos os olhos de alegria – são melhores que as Smarties, não são? – e começa a brincadeira da disputa: terão os azuis? Os encarnados são para mim! Nada, vamos dividir isso bem! Não querias mais nada? Dois terços para mim e se não cairmos nos próximos dez buracos um terço fica para ti. Ai não senhora! Se nos cruzarmos com uma viatura militar são todos para mim; se for civil são todos para ti. E se for uma coluna? Aí jogamos ao papel, pedra, tesoura. Nã, nã, nã, que eu perco sempre nesse jogo. E por entre larachas, disputas e recordações de infância, fomos entretendo a monotonia da estrada. Mas sempre, sempre antecipando os M&Ms que nos aguardavam, tão lindos, tão redondos, tão saborosos, tão coloridos, tão doces, tão bem guardados no tubo da ração militar.Esquecidos estavam o desconforto em que iríamos passar as próximas semanas, o calor, os mosquitos e até, oh benção das bençãos!, as latrinas! Afinal tínhamos M&Ms!, um luxo inigualável no mundo de enlatados em que iríamos viver.Chegamos ao destino, falamos com os chefes da comunidade, montamos as tendas devidamente distanciadas, juntamos uns galhos, fazemos um fogo e vasculhamos no tubo o seu conteúdo. Primeiro sinal de alerta: Jim, tiraste os M&Ms? És sempre a mesma, diz-me ele, vá diz lá onde os escondeste. Não!, a sério! Não os encontro! O Jim começa a suar. Tens a certeza? Vê lá bem, afinal não é uma embalagem muito grande… Despejamos tudo. Eu com a lista e ele repovoando o tubo artigo a artigo: queijo? sim; puré de batata instantâneo? sim; leite condensado? sim! No fim dos sins um único não – o dos M&Ms! Olhamos desolados um para o outro: tiraram-nos os M&Ms! diz o Jim com voz alterada; Tiraram-nos os M&Ms, sussurro eu desolada… Invadidos por um profundo sentimento de traição, sentamo-nos e comemos desconsolados e em silêncio a porcaria das rações.Nesse dia aprendemos a lição do valor das pequenas coisas no adoçar da vida. Hoje, entre eleições e debates não encontro chocolate que não me deixe a boca amarga ...* versão actualizada de um post de Setembro de 2010 no antigo ma-schambaAL

Autoria e outros dados (tags, etc)

por AL às 02:49


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2011

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031